Como criar uma história de fantasia?

25 de janeiro de 2019 0 Por Bolha Criativa
Tempo de leitura: 3 minutos

Talvez você já tenha ouvido alguém falar que “criar histórias de fantasia é fácil, é só inventar tudo e colocar tudo o que vem na cabeça, tudo é possível”. Podemos afirmar que não, não é bem assim.

Histórias de fantasia podem exigir muito mais do que histórias mais realistas e tudo pode desandar se não haver algumas regras para criar uma história consistente.

Vamos dar algumas dicas rápidas de como criar um mundo de fantasia, se você deseja criar um livro de ficção ou qualquer outra coisa. Vamos lá!

Defina regras

Quando se coloca a existência de magia em um mundo, você deve definir os limites. Não é uma boa opção ter a possibilidade de se resolver tudo com magia, a menos que haja um conflito por trás. E se houver conflito, há alguma limitação. E se não tiver conflito, sua história não terá graça nenhuma.

Alguns exemplos de limitações: a magia não revive os mortos, a magia não cura doenças e a magia não cria o amor verdadeiro.

Caso você queira adicionar essas possibilidades, certifique-se que a história possua consequências pelo uso dessas magias ou que sejam a recompensa do final da história. Aqui segue dois exemplos de histórias:

História 01:

A história de um reino onde a imortalidade é real por causa de uma poção mágica. Um velho de mil e quinhentos anos decide morrer, mas sua família o impede porque ele é o rei. Assim, o velho decide destruir a poção e assim começa o conflito.

História 02:

Após enfrentar todos os perigos, o jovem cavaleiro finalmente consegue a magia necessária para ressuscitar sua amada princesa, mas a magia exige que sacrifique sua vida para isso.

Faça a ficha da sua história

Antes de começar a escrever a história em si, dedique-se a criar textos descritivos sobre lugares que provavelmente você vai inventar. Ficará muito fácil quando você tiver no meio na escrita ou durante a criação de uma saga de livros, por exemplo.

Além da aparência das cidades, defina também o modo como os habitantes vivem, o tipo de habitantes, costumes, religião, sistema monetário (como eles pagam suas coisas) e o sistema político (quem é que manda no pedaço, como ele manda, quais as regras para sucessão).

Coloque também nas ficha as lendas e histórias antigas da sua história. Você tem a liberdade de não descrever ou não explicar nenhuma das coisas que escreveu, mas use sua ficha na hora de escrever para manter a coerência e deixar a história mais imersiva.

Afinal, seria muito chato se tivesse furos, como por exemplo, o narrador citar como funciona uma religião da história no começo e no meio do caminho ela ser mostrada de jeito completamente diferente no meio da história (ver item abaixo).

Explique o necessário, quando necessário

Ao criar um mundo de fantasia, principalmente se ele for muito mais complexo de entender, é importante situar o leitor para que ele não fique perdido na leitura e não entenda minimamente o que está acontecendo.

Usando como base a ficha que criou no item anterior, o melhor que você pode fazer é não jogar simplesmente todas as informações e explicações em um capítulo só (a menos que elas sejam fáceis de entender!). Ao invés disso, crie situações e explique com calma como funciona as coisas.

Exemplo: para explicar como funciona a economia do reino, faça algum dos seus personagens comprar alguma coisa e ter algum tipo de problema com a moeda inventada. Esta é uma boa hora para você explicar como funciona.

Então, o melhor jeito de explicar como funciona aquele mundo é explicar ao vivo, no momento em que a situação está acontecendo.

Outra dica legal também é evitar o uso de descrições do narrador quando você pode exemplificar só com a ação dos personagens. A moeda da sua história pode muito bem ser explicada apenas com uma cena dos personagens interagindo com ela, sem necessitar de explicações redundantes do narrador.

Mas se você quiser não explicar nada e deixar que o leitor mesmo interprete, esteja a vontade! Para isso, use narrativas e enredos aparentemente simples para que ele entenda o mínimo necessário sobre aquele mundo e você pode usar todo o background que criou na ficha da história sem descrever absolutamente nada.

Não tenha medo dos clichês!

Assim como qualquer gênero, a fantasia também possui inúmeros clichês. Escolas de magia, feiticeiros poderosos e barbados, matadores de dragões, princesas amaldiçoadas, vampiros x lobisomens…

Nós já falamos nesse artigo como fugir dos clichês e criar uma quebra de expectativa para brincar com a imaginação do leitor. Portanto, use e abuse dos clichês de modo criativo e crie suas próprias histórias originais e ao mesmo tempo reconhecidas facilmente (o público ama um bom clichê executado!).

Mas se você tiver em busca de ideias para fugir dos clichês de fantasia, o Bolha Criativa criará uma série de artigos com ideias em breve, então não deixe de acompanhar o site.

Curta nossa página do Facebook para não perder nenhum post e comente abaixo se você tiver mais aluma dica para compartilhar e ajudar a criar novas histórias fantásticas!

Compartilhe por aí!
error