Lista: 05 séries criativas da Netflix

21 de janeiro de 2019 1 Por Bolha Criativa
Tempo de leitura: 5 minutos

Se você está em busca de inspiração e está seguindo nossos passos para acabar com o bloqueio criativo, uma das opções é consumir um produto do entretenimento. As obras brincam com nossa imaginação e algumas são surpreendentemente boas para inspirar qualquer um.

Esta lista pode servir de incentivo ou simplesmente indicação de séries legais do serviço de streaming, diante de tantas opções. Estas são as séries que o Bolha Criativa indica:

1 – Black Mirror

Black Mirror – Cena do episódio White Bear – Netflix

Black Mirror é uma série antológica de ficção científica (ou seja, os episódios funcionam como contos separados e não como uma história corrida) criada pelo inglês Charlie Brooker. Sendo assim, você tem a liberdade de escolher os episódios na ordem que bem entender e eles funcionam como um mini-filme. Por falar em filme, também existe o filme interativo da série:  Bandersnatch, onde o espectador pode escolher os destinos do roteiro.

A série brilha em criatividade ao abordar o tema principal e recorrente dos episódios: a tecnologia e como ela pode ser assustadora, já que as invenções dos episódios são totalmente inspiradas em tecnologia que já possuímos hoje, como a rede social controladora de status social, do episódio Nosedive ou o relacionamento amoroso através de aplicativos, como no episódio Hang The DJ.

Mesmo assim, a tecnologia apresentada em Black Mirror é muito criativa para qualquer amante de ficção científica e o comportamento humano, que é o mais explorado na série, é tão envolvente quanto qualquer livro de Stephen King. (Não espere finais felizes!)

2 – Santa Clarita Diet

Santa Clarita Diet – Netflix

Santa Clarita Diet é uma comédia de horror protagonizada por Drew Barrymore e Timothy Olyphant, interpretanto Sheila e Joel, um casal de corretores imobiliários da pacata cidade suburbana de Santa Clarita, na Califórnia. Toda essa paz muda quando Sheila adoece e se transforma… numa morta viva!

Só que ao contrário de uma zumbi qualquer, a vida de Sheila fica mais enérgica possível, apesar de agora ter que comer carne humana e cuidar de partes do corpo que “saem” de repente, rendendo cenas hilárias – e horripilantes.

Para manter a identidade do casal sem graça de corretores, Sheila e Joel devem passar muitas encrencas e situações (esconder corpos dos vizinhos policiais, falar com cabeças falantes e decidir quem merece morrer para servir de refeição para Sheila) e, é claro, descobrir o que diabos aconteceu!

A série é sangrenta e deliciosamente engraçada, não se levando a sério em quase nenhum momento e cheia de situações absurdas e impactantes. Vale a pena para quem quer uma série de humor ácido, mas que tenha estômago para isso!

3 – The Good Place

The Good Place – Netflix (Fotografia: Vivian Zink/NBC)

Mas se você ainda quiser uma série de humor, mas não o humor sangrento de Santa Clarita Diet e sim um humor mais inteligente e até mesmo filosófico, esta série é para você. Kristen Bell é a protagonista de The Good Place, que conta história de Eleanor, uma mulher que morreu e descobre viverá o pós-vida no Bom Lugar.

Lá, o mentor de Eleanor, Michael (brilhantemente interpretado por Ted Danson) explica a Eleanor que todos que vivem na Terra recebem uma pontuação por suas ações, que determinam se a pessoa irá para o Bom Lugar ou o Lugar Ruim. Além de irem para o Bom Lugar, os “mortos” ainda vão morar com sua alma gêmea para a eternidade.

Após Eleanor conhecer sua alma gêmea, Chidi, Eleanor confessa a ele que não pertence ao Lugar Bom porque suas ações na Terra não foram dignas e que ela deveria estar no Lugar Ruim. A partir daí, coisas estranhas começam a acontecer no Lugar Bom e Eleanor acredita que seja a causadora do caos por esconder sua identidade e que pela primeira vez o sistema de pontuação errou.

A série é extremamente criativa ao mostrar o pós-vida sem retratar o além com base em qualquer religião, e sim mais próximo ao de uma mega corporação, com direito a funcionários demônios e robôs. Sim, robôs! Janet ( D’Arcy Carden) talvez seja um dos melhores personagens da série.

The Good Place é cheia de reviravoltas, piadas realmente engraçadas, discussões filosóficas e sobre a vida. Uma série de comédia inteligente, criativa e que faz pensar sobre a vida. Quer uma série melhor do que essa?

4 – The OA

THE OA/ Netflix

O próprio nome da série já é misterioso, portanto, não espere que eu fale muita coisa sobre ela para não estragar sua experiência. É uma série do estilo ame ou odeie, mas para quem gostar vai adorar cada segundo e cada mistério apresentado.

The OA é um drama/suspense/ficção científica estrelado pela atriz Brit Marling, que conta a história de Praire, uma jovem que reaparece após sete anos que esconde dos pais adotivos e do próprio FBI o que aconteceu. Um detalhe interessante: ela era cega antes de sumir e agora aparece com a visão normal.

Por onde Praire esteve? Ela contará para o espectador e para um grupo diverso de cinco pessoas o que aconteceu e cabe a você (e aos personagens) acreditar na história fantástica e absurda que ela contará. Espere por conspirações, milagres, experiência de quase morte e anjos.

The OA é quase um grande filme, capaz de explodir cabeças. Se você entrar na história, com certeza estará animado(a) para a próxima temporada e concordar que é uma série extremamente criativa.

5 – Dark

Dark / Netflix

Dark é uma série alemã de drama e suspense que precisa ser assistida com atenção para não se perder nenhum detalhe, afinal, são vários personagens de várias famílias e os mesmos personagens em diferentes linhas temporais.

A única coisa que posso falar sobre Dark é que é uma série que aborda viagem no tempo, mas de forma completamente diferente do clichê já estabelecido pela franquia De Volta Para o Futuro. Tudo começa numa cidade alemã com o desaparecimento de dois personagens e o suicídio outro.

Mais do que uma série de ficção científica sobre viagem no tempo, Dark aborda temas sombrios (como o próprio nome sugere) presentes na sociedade, como problemas familiares, segredos destrutivos. Além disso, a série é um primor técnico, destacando-se na fotografia, na trilha sonora assustadora e misteriosa e na grandiosa edição, além, é claro, da criatividade do roteiro.

E aí? Gostou das nossas indicações? Se já assistiu, fala o que mais gosta (ou odiou, precisamos ser democráticos) nas produções. Espero você nos comentários e até breve!

Compartilhe por aí!
error