Como escrever um livro de ficção?

28 de novembro de 2018 1 Por Bolha Criativa
Tempo de leitura: 5 minutos

Você já possui a ideia, mas não sabe como começar ou surgiu algum problema no percurso? Este artigo é para você.

Aqui abordaremos um método organizado para a criação de um livro de ficção (mas talvez ajude outros gêneros, claro) em passos que recomendamos seguir na ordem. Porém cada caso é um caso. Sinta-se à vontade para ignorar ou trocar a ordem conforme a necessidade. Falarei mais sobre isso nos tópicos a seguir.

Caso precise de informações mais detalhadas de cada passo, não se preocupe. Aqui no site publicaremos os respectivos artigos e atualizaremos o presente quando forem publicados.

01 – Organize seu espaço de trabalho

Quando for escrever, sente-se em um lugar confortável. Fique num lugar silencioso ou coloque seu fone de ouvido e escute suas músicas preferidas. O que importa é não ter nenhuma fonte de distração. Pegue papel e caneta ou abra a janela do seu editor de texto favorito. É hora do trabalho!

02 – Faça um resumo do enredo

Antes de começar a escrever a história em si, dedique-se um tempo para resumi-la num texto de no máximo uma página. Não é necessário detalhar tudo o que vai acontecer, mas seria interessante que você escrevesse como a história se inicia e onde ela irá parar. Se a sua história tiver uma reviravolta, você precisa construir as bases dela desde o início. O meio da história e os detalhes poderão ser acrescentados quando de fato for escrevê-la.

03 – Crie uma ficha dos personagens e do lugar que se passa a história

Os personagens são a alma da sua história, portanto, também dê atenção a eles. A ideia aqui é como criar uma mini Wikipédia dos seus personagens, criando o nome, idade, aparência, personalidade, profissão e uma breve história resumida. Esses detalhes podem ser maiores ou menores dependendo da importância dos personagens. Dê mais background naqueles que realmente farão a história andar e não nos figurantes de uma cena só.

O mesmo vale para os lugares do enredo, principalmente se você inventar uma cidade ou um reino/planeta diferente.

Deixe essas fichas em um documento separado do livro principal e adicione ou retire conforme você for escrevendo.

 

04 – Escolha a perspectiva do narrador

Na primeira pessoa, a história é narrada por um personagem, podendo ser ou não o protagonista. Exemplo:

Meu nome é João. A minha história começa em um dia chuvoso, quando papai desceu da escada furioso gritando comigo. Eu não quebrei os brinquedos da minha irmãzinha! Eu juro!

Nesse tipo de enredo, o leitor vive a emoção do personagem, tudo é mais intenso. A desvantagem é que geralmente ficamos preso dentro da perspectiva de um único personagem e sua credibilidade. Será que tudo que ele está contando é verdade?

Use esse tipo de narração quando sua intenção for mostrar o maior envolvimento com o personagem possível.

Na perspectiva de terceira pessoa, no entanto, o narrador possui um leque de liberdades interessantes.

João viu seu pai descer as escadas com ar furioso. Temendo dos pés a cabeça, o menino fechou a cara, implorando que o pai acreditasse nele. Na verdade o verdadeiro culpado pelo sumiço dos brinquedos atendia pelo nome de Lili, a cachorrinha da família.

Como visto no exemplo acima, o narrador da terceira é onisciente, ou seja, sabe tudo sobre todos da história. Mas você pode limitar o conhecimento do narrador do modo como desejar, talvez prendendo-o apenas no conhecimento do protagonista.

João viu seu pai descer as escadas com ar furioso. Tremendo dos pés a cabeça, o menino fechou a cara, implorando que o pai acreditasse nele. Ele nunca encostou um dedo naqueles brinquedos, mas como poderia provar para o seu pai?

Use a perspectiva de terceira pessoa quando sua história necessitar que vários personagens conduzam a história ou para não ficar preso somente na visão de um personagem.

Mas você pode testar várias formas de narrar sua história usando e misturando as perspectivas de narração. Use sua criatividade!

05 – Mãos à obra!

Agora que você organizou o básico está no hora de começar a sua obra de fato. Sinta-se livre para modificar qualquer elemento que tenha definido antes. Surpreenda-se no chamado fluxo narrativo, quando os personagens ganham vida e a própria história se cria sozinha enquanto escreve.

Não desanime se não conseguir da primeira vez. Se tiver algo que não esteja gostando, reescreva, comece do zero, mas nunca descarte ideias não utilizadas. Pode ser que não sejam úteis neste livro, mas quem sabe nos próximos?

06 – Crie o título

A maioria dos autores já imagina o futuro livro que ainda nem começou e já tem o nome, a sinopse e tudo. A dica é: deixe o nome para o final a menos que você saibe exatamente o que está escrevendo.

07 – Dê um tempo

Se você terminou o que queria contar da primeira vez ou está precisando dar um tempo para pensar melhor, sinta-se a vontade. Deixe o manuscrito de lado por algumas semanas e ocupe a mente com outras coisas.

Esse é um passo muito recomendado mesmo que você ache que seu livro não precisa de retoques. Acredite: vai precisar. Depois de muito tempo dedicado trabalhando em um qualquer projeto, os próprios olhos do autor não enxergam os problemas. Desde erros simples como troca de nomes de personagens até parágrafos com ideias que não são explicados corretamente. Assim vamos para o próximo passo:

08 – Revisão

Lembre-se que ao menos que seja sua intenção, os livros serão lidos por outras pessoas e não apenas por você. Portando, dê uma revisada cuidadosa na sua obra. Após seu descanso mental, leia em voz alta, elimine sem dó nem piedade a “gordura” do texto e reescreva caso haja necessidade.

Se possível, chame outra pessoa para ler sua história, mas evite chamar familiares ou amigos próximos. Como diz o ditado ” Santo de casa não faz milagre”, é provável que sua mãe o encha de elogios exagerados ao invés de fazer uma crítica construtiva.

Preciso ser um “craque” na Língua Portuguesa para escrever um livro?

09 – E agora?

Aí você decide! Você pode usar esse livro para algum concurso. Ou publicar gratuitamente em plataformas de leitura como o Wattpad.

Talvez você esteja pronto para autopublicação na Amazon ou sites como Clube de Autores.

Ou talvez queira registrar seu livro na Biblioteca Nacional…

Ou publicar em uma editora.

Mas isso vale um outro artigo que publicaremos futuramente no site.

Escrever um livro não é uma tarefa simples, exige tempo e dedicação. Mas no final é satisfatório deixar uma marca no mundo. E aí? Está pronto para fazer história?

Compartilhe por aí!
error